Mielograma e Biópsia de medula óssea

A medula óssea é encontrada no interior (parte oca) da maioria dos ossos, nos adultos, principalmente nos ossos “chatos”, como bacia e esterno, e é responsável pela produção das células do sangue (hemácias, leucócitos, plaquetas).

O aspirado da medula óssea (mielograma) é um procedimento utilizado para obter uma amostra da parte líquida da medula óssea e pode ser realizada no esterno ou na bacia. A biópsia de medula óssea, por sua vez, fornece um pequeno cilindro do osso ilíaco com medula óssea no seu interior, e é realizada no osso da bacia. Ambas as amostras são analisadas ao microscópio, para determinar se há alguma anormalidade no desenvolvimento das células sanguíneas, se há explicação na medula óssea para a causa das contagens altas ou baixas de elementos do sangue, para confirmar diagnósticos, avaliar resposta a tratamentos e permitir exames adicionais.

O mielograma e a biópsia da medula podem ser realizados em consultório, leito hospitalar e, menos frequentemente, em centro cirúrgico (sob anestesia). Para a punção e/ou biópsia da crista ilíaca (osso da bacia situado abaixo da cintura), o paciente fica em decúbito lateral ou dorsal e a área a ser puncionada é limpa com solução antisséptica e anestesiada com anestésico local. A agulha de aspiração é inserida, através da pele, na cavidade medular, removendo a parte líquida da medula óssea. Após a remoção da agulha de aspiração, uma outra agulha, a agulha de biópsia, é introduzida no osso de maneira semelhante, obtendo um pequeno fragmento ósseo. Após o procedimento, o paciente fica em observação por alguns minutos, sendo liberado após.

Embora incomuns, as complicações incluem sangramento e infecção no local da punção, reação anafilática, fratura óssea, dano aos tecidos vizinhos (vasos sanguíneos, nervos, órgãos).

Não há alternativas de exames que possam substituir o mielograma e a biópsia de medula óssea, até o momento. Não autorizar a realização desses procedimentos pode impossibilitar o diagnóstico de uma doença subjacente, com potencial progressão e piora da condição médica.

Existe a possibilidade da realização dos exames sob sedação, em monitorização contínua dos sinais vitais, em presença do anestesista. Neste caso, os procedimentos são realizados com maior conforto para o paciente e segurança para o médico.

Terapia com ferro venoso

Tratamento quimioterápico

medula-óssea