TELEFONE

(21) 2705-2341

Área do Paciente



Orientações para pacientes com trombofilia



Pacientes com diagnóstico de trombofilia adquirida ou hereditária têm um risco maior de desenvolver trombose venosa profunda e embolia pulmonar do que os indivíduos que não possuem essas alterações. Dessa forma, outros fatores que aumentam ainda mais o risco de trombose (venosa e/ou arterial) devem ser evitados ou controlados:


Tabagismo;
Obesidade;
Hipertensão arterial sistêmica;
Diabetes mellitus;
Dislipidemias;
Sedentarismo - o ideal é a prática de no mínimo 150 minutos semanais de atividades aeróbicas (caminhada, corrida, natação etc);
As mulheres com diagnóstico de trombofilia devem evitar o usode estrógenos (anticoncepcionais, reposição hormonal). Em algumas circunstâncias, o uso de anticoagulante profilático estará indicado e a equipe médica deverá ser consultada;
Imobilização com tala ou gesso (como em fraturas de membros);
Cirurgias;
Gestação - o ideal é que se faça uma consulta pré-natal com o hematologista para que se avalie a indicação da anticoagulação durante a gravidez. Assim que se tenha o diagnóstico de gestação, o médico deve ser imediatamente avisado;
Puerpério - o uso de anticoagulante pode ser necessário até 4 a 6 semanas após o parto;
Viagens aéreas com duração superior a 4 horas - o médico deveser consultado a respeito daindicação de meias de compressão elástica e/ou anticoagulação;


Reposição oral de ferro
Viagens longas e trombose
Uso de marevan /warfarin
Drogas que causam a trombocitopenia
Deficiência de G6PD
Medicamentos seguros na G6PD
Seis vacinas que os adultos devem receber
Orientações para pacientes com trombofilia
Anemia Ferropriva
Doença de Von Willebrand
O que você precisa saber sobre Biópsia de medula óssea e Mielograma


Em caso de dúvidas, não deixe de consultar o seu médico.